sábado, 24 de fevereiro de 2018

Faz-se o que se pode


Também já tinha visto o programa referido por Alberto Gonçalves na crónica da sua indignação desta semana – “Um programa 100% reles” – e que logo abandonei, tal como fizera a um outro que apresentava Miguel Esteves Cardoso, sentado num cadeirão, a conversar com um jovem também sentado, debitando, ambos, puerilidades de estarrecer, o do cadeirão a chamar inteligente ao jovem, por uma qualquer futilidade pronunciada em conversa inconsequente e soporífera.
Tem razão, Alberto Gonçalves, na sua iracúndia 100% “inteligente” e orientadora, embora ineficaz. Porque há sempre quem aprecie, há sempre os patriotas e os brincalhões, até os dos nossos carnavais, a imitar os outros carnavais mais a sério de outros países mais criativos ou soalheiros.
Mas não devemos generalizar. Afinal a RTP tem programas que agradam, o do Herman, os DDT, os das descobertas de vozes e génios…
E poderemos sempre fazer zapping. A menos que a nossa intenção seja mesmo a de satirizar, talvez para divertir, talvez para educar… O ponto está em que quiséssemos aprender.

Um programa 100% reles
OBSERVADOR, 24/2/18
Além de um espectáculo pelintra, e veículo promocional de um Estado muito desonesto e pouco democrático, o “100% Português” da RTP é um manifesto reaccionário, com cheirinho à superioridade da “raça”.
O presidente do Sporting, que parece um indivíduo ponderado, instou os fiéis a: a) não lerem jornais desportivos e o “Correio da Manhã”; b) não consumirem televisão nacional; c) não deglutirem rissóis de marisco. A alínea c) é brincadeira (o dr. Costa é que proíbe essas calamidades). Mas a) e b) são aparentemente exigências sérias e, se me permitem, nada difíceis de cumprir. Mesmo não sendo “sportinguista”, nunca comprei um jornal desportivo e só comprei o “Correio da Manhã” meia dúzia de vezes e por discutível vaidade, quando há demasiados anos ali assinei umas crónicas. Aliás, ao que me consta, há muito que quase ninguém paga por esse anacronismo chamado imprensa. Pelo menos entre nós, as publicações em papel têm hoje uma procura comparável à vacina contra a lepra – e, por regra, um interesse semelhante à dita.
Quanto à televisão, a obediência às directivas é ainda mais simples. Quem, com idade inferior a 70 anos e na era do cabo, do Netflix, do DVD, do youTube e do que calha, insiste em ver canais portugueses? Falo por mim, que apenas espreito tais aberrações para me inteirar dos comunicados do presidente do Sporting e das reacções dos especialistas aos comunicados do presidente do Sporting. O resto, calculo, é a tralha grosseira que celebrizou o “audiovisual” caseiro e, dado atravessarmos um Tempo Novo, a descarada propaganda do governo e do país que convém ao governo. O que eu não esperava é que a grosseria e o descaramento chegassem aos níveis espectaculares a que chegaram.
Um destes dias, soube pelo Telmo Azevedo Fernandes, ocasional autor no “Observador” de textos lúcidos e logo excêntricos sobre economia, que a RTP estreou um programa intitulado “Missão: 100% Português”. É extraordinário que, em pleno século XXI (é assim que diz, não é?), a RTP continue a existir. Porém, achei literalmente inacreditável que agora dedique a sua desgraçada existência à divulgação de um patriotismo caro a 1930. E isto a julgar pelo nome, que prometia coisa má. Movido pela curiosidade dos pervertidos, fui ver: a coisa é pior.
O “conceito” de “100% Português”, adaptado de uma empresa holandesa e de autóctones doentes, é simples. E atroz: um moço, convenientemente pateta, aceita viver uns meses sem produtos estrangeiros. As câmaras, os microfones e restante parafernália fabricada em Aljezur registam o resultado para educação das massas.
O segundo episódio, que testemunhei com previsível sofrimento, começa com o moço a preparar o pequeno-almoço, confecionado com fruta guardada ao relento e comido no chão. O moço, que dá saltos, faz caretas e diz “Eia, man!” e “Muita mal”, decide ir à cata de bens patrióticos. A voz “off” (termo alentejano) dita as “regras”: “De agora em diante, o Raminhos (?) vai consumir exclusivamente produtos “made in” (expressão beirã) Portugal identificados através de etiquetas, rótulos e símbolos que atestem a origem nacional”. Mais: “E ainda vai explorar as mais criativas ideias nacionais, com sucesso por cá e além-fronteiras” (supõe-se que em países sem consciência proteccionista).
De súbito acompanhado pelo cançonetista Toy (alcunha minhota), pretexto para “piadas” susceptíveis de inspirar suicídios colectivos, o moço parte em busca de um frigorífico indígena. A bordo de um automóvel concebido em Arruda dos Vinhos, ambos berram: “Eu vou cantar/sou português/e tenho orgulho no meu país”. Adquirido o frigorífico, passa-se à pedagogia directa, onde o moço e Toy interpelam transeuntes com mentiras piedosas (ou cruel estupidez): “É mais barato porque a assistência é portuguesa”. Aos 14 minutos de emissão, e se não for maluquinha de todo, a assistência portuguesa fugiu apavorada de tamanho nojo. Eu tomo um comprimido para a enxaqueca e persisto. Em vão: Toy retoma a cantoria.
Na cena seguinte, o moço senta-se para a “leitura 100% portuguesa” e, investigo a capa, opta por Borges. Estranho, pelo desvio às regras e ao péssimo gosto do programa. Depois percebo que não se trata do escritor argentino (neto de transmontanos, imagine-se): o Borges em questão é um “humorista” que se passeia de boina basca e que, sem querer, fornece a analogia perfeita para o penoso exercício. Abdicar, em nome da irracionalidade tribal, de produtos importados é, na vastíssima maioria das circunstâncias, ficar reduzido à fancaria que sobra, se sobra. E é abdicar da capacidade de escolha. E dos benefícios da concorrência. E das vantagens de habitarmos um mundo imensamente maior que nós. E do progresso em geral.
Além de um espectáculo pelintra, e veículo promocional de um Estado muito desonesto e pouco democrático, “100% Português” é um manifesto reaccionário, com cheirinho à superioridade da “raça”, aos prazeres da xenofobia e a feiras de fumeiro. Numa palavra, é reles. Em meia dúzia de palavras, é um sintoma da miséria a que descemos ver a “economia de substituição” – ou o atraso de vida – louvada no horário “nobre” do Inverno de 2018. Na campa, Salazar deve contorcer-se de gozo. Como Jerónimo de Sousa no museu.

Em abono do rigor, esclareço que, no momento em que o moço pegou no Borges da boina, a electricidade dele foi abaixo. E a minha paciência também. Enquanto o moço presumivelmente pesquisava turbinas criadas em Gondomar num telemóvel criado em Portimão, considerei-me satisfeito (salvo seja) e desliguei o televisor (projectado na Buraca). Suportei perto de vinte minutos, a duração média que o corpo humano resiste à fogueira, o único suplício comparável. Se o nacionalismo é de facto o último refúgio dos canalhas, consola não ser uma invenção portuguesa. Já a lobotomia é. E nota-se.

As provas da nossa harmonia de pensamento


O texto de Miguel de Sousa Tavares – “Lista exaustiva das ideias espectaculares de Rui Rio” – prova decididamente que todos os homens são iguais, sem o melindroso senão de que uns são mais iguais que outros. Afinal, todos leram pela mesma cartilha, com a convicção – e a comoção - de que o catecismo dessa cartilha é que está a dar, todo dedicado a nós, povo da vila morena, no nosso lindo país de homens incendiários e poluidores de praias e de rios, e de clima amenamente castigador da Terra. Que importa, pois, que todos os dirigentes ou mesmo dirigíveis, sejam a favor das acções virtuosas que têm o homem e a mulher na meta da sua virtude socioideológica? A verdade é que os blocos esquerdinos fizeram escola na defesa dos sacrificados e agora todos os imitam, pelo menos nas tiradas sociais, mesmo que seja à custa de dinheiros com que outros povos nos desenrascam.
É certo que ainda se vêem homens e mulheres à esquina do Pingo Doce – refiro-me ao da Parede, onde alternam, com a sua traquitana de vestes e abrigos enxovalhados – não sei se dormiram lá, na esquina, – ora um mendigo, ora uma mendiga com aparência indiferente ao mundo, e esses não são referidos pelos governantes, apoiantes ou candidatos a governantes da lista que JMT apresenta, jovem arguto e despachado no seu descrever.
No tempo de Cesário Verde, os mendigos manetas e sórdidos, ou mesmo o professor de Latim de Cesário, arrastavam-se por outras bandas, por exemplo, nas esquinas, mas não de Pingos Doces, o que seria anacrónico referir, como se comprova em “O Sentimento dum Ocidental”: «E, nas esquinas, calvo, eterno, sem repouso, Pede-me sempre esmola um homenzinho idoso, Meu velho professor nas aulas de Latim!”, e demonstra uma certa imutabilidade na via da nossa mendicidade, que essa não faz parte do nosso Estado social, pois não está contida nas propostas de gestão dos tais governantes, apoiantes e candidatos, apesar da promessa de “lutar contra a pobreza”, mas, definitivamente, só a mais disfarçada - o que nos rebaixa bastante na questão social. Felizmente, estamos habituados.

OPINIÃO
Lista exaustiva das ideias espectaculares de Rui Rio
Destas 22 propostas, quantas poderiam ser subscritas pelo PS de António Costa? Vinte e duas.
22 de Fevereiro de 2018
Ontem dediquei-me a analisar em detalhe o discurso programático de Rui Rio no encerramento do congresso do PSD. Eis a lista exaustiva daquilo que ele propôs ao país: lutar contra a pobreza; combater a fraca natalidade; apoiar a terceira idade; combater a desertificação do interior; promover a sustentabilidade da Segurança Social; promover a solidariedade intergeracional; defender os princípios do Estado social (e a sua “dimensão humana”); combater a deterioração do Serviço Nacional de Saúde; implementar cuidados hospitalares domiciliários; reforçar a rede nacional de cuidados integrados e de cuidados paliativos; garantir um SNS sustentável e moderno; melhorar as escolas e as condições de ensino e aprendizagem; promover a ascensão social; apostar numa política para a infância que promova a igualdade de oportunidades; alargar o acesso ao ensino superior; apostar numa sociedade do conhecimento e inovação; apostar numa economia mais competitiva; insistir na ligação das empresas às universidades; levar a cabo políticas públicas promotoras do investimento, da poupança, do emprego de qualidade e capazes de induzir o crescimento económico; proporcionar aos portugueses um nível de vida idêntico ao da média da União Europeia; descentralizar (a “longo e médio prazo”); olhar para as franjas mais abandonadas do interior.
Destas 22 propostas, quantas poderiam ser subscritas pelo PS de António Costa? Vinte e duas. Quantas poderiam ser subscritas pelo CDS de Assunção Cristas? Vinte e duas. Quantas poderiam ser subscritas pelo Bloco de Esquerda de Catarina Martins? Vinte e duas. Quantas poderiam ser subscritas pelo PCP de Jerónimo de Sousa? Vinte e duas. É curioso que Rui Rio tenha prometido no congresso “resistir ao discurso fácil e politicamente correcto”, porque aquilo que nos ofereceu na sua intervenção programática foi um conjunto de banalidades que merecem a concordância de qualquer pessoa, de Marcelo Rebelo de Sousa a Arnaldo Matos, passando pela Miss Portugal. Rui Rio disse também: “Não é preciso inventar diferenças, as que existem já são suficientemente marcantes para todos nós nos distinguirmos.” É mesmo? A mim parecer-me-ia útil arranjar algumas, porque até agora vi nenhuma.
Aliás, não foi só no seu último discurso. O primeiro foi igual. Rui Rio falou a maior parte do tempo para dentro do PSD, mas no final deixou algumas propostas para o país: inverter o distanciamento entre cidadãos e partidos; reformar a justiça para obter mais celeridade, transparência e melhor qualidade legislativa; reformar o Estado e optimizar os seus recursos; descentralizar e desenvolver o interior; reforçar a respeitabilidade das instituições; reforçar os direitos e garantias dos cidadãos; combater a demagogia. Destas sete propostas quantas poderiam ser subscritas pelo PS de António Costa? Sim, são sete, e dispenso-me de incomodar o leitor com mais uma ronda pelos partidos e pela Miss Portugal.
As intenções que Rui Rio manifesta constam de qualquer problema partidário desde 1974, e podem ser resumidas em quatro palavras: “Queremos um país melhor.” Obrigadinho. A questão não está na qualidade dos desejos, porque todos somos óptimos a desejar, mas na forma como se concretizam, tendo em conta a limitação dos recursos e os constrangimentos políticos e sociais do país. E sobre isso Rio disse nada. Se não quer ser acusado de ser o António Costa cor-de-laranja, convinha que se esforçasse um pouco mais.


sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Tempos de decepção


Maria João Avillez faz uma análise pertinente e elegantemente apurada de um acontecimento que, não sendo necessário, se tornou condição suficiente para manter um partido que, repentinamente nos evoca o rio Tejo, ao que se diz, morto, e, sobretudo, actualmente mortífero. A gravidade do caso torna a expressão “Não havia necessidade”, do diácono Remédios, inadequada, no seu humor, ao sentimento de tristeza ou de tragédia que com aquela contrasta. Maria João Avillez, ainda assim, propõe um delicado “benefício de dúvida”. Estamos demasiado calejados e alguns, envelhecidos, para concedermos, desportivamente, tal benefício.
Preferimos colocar um comentário (de André Ondine) ao texto de Maria João Avillez de confirmação pelo que diz de Passos Coelho, e o texto esclarecedor de Rui Ramos sobre a odisseia futura do PSD:
I - PSD mudou para melhor?
OBSERVADOR, 21/2/2018
Um mínimo de seriedade face ao PSD reclama um mínimo de benefício da dúvida. Não se sabe é onde ir buscar o empolgamento. O das manhãs do início de uma nova aventura política.
1. O assombroso hotel Ritz, ex-libris quase mítico de Paris, foi para obras. Em mais de cem anos já deve ter tido outras intervenções, mas estas últimas dispensaram cerca de dez mil variadíssimas peças decorativas que irão para leilão em Abril. Uma pena, mas ainda bem que há leilões e não é apenas por concederem o dom de outra vida aos objectos, é também por certificarem a sua irrelevância ou ausência de qualidade minima. Lembrei-me do PSD ao ler a notícia. Sendo evidentemente desnecessário dizer que ele não é irrelevante, não era má ideia que parte fosse leiloada (há compradores para tudo), pois resolveria alguns magnos problemas.
Se algumas das peças de que o partido é feito têm, já se sabe, alto valor – convivendo embora com tralha antiga ou sem qualidade, mas isso são os partidos –, parte do lote entrado no último fim de semana simplesmente presta pouco e atrapalha muito. Não presta publicamente, isto é, o país sabe-o. A surpresa, o espanto desagradado — nalguns casos, irado — de vários elementos do núcleo duro de Rui Rio ao saberem de algumas das “peças” escolhidas é disso a mais desencorajadora das provas para quem inicia um “novo ciclo”.  De modo que talvez um leilão abrigasse tais peças para que nos livrássemos delas: ao estarem em relevo na mais importante estrutura de decisão política do maior partido da oposição, estão automaticamente inscritas na vida pública do próprio país. Uma vergonha. Ou deveria dizer um insulto?
E como querem que “se” fale de outra coisa se esta acende tantos sinais vermelhos?
2. Rui Rio habituou-nos a um certo tom de exigência quase reivindicativo quando se tratava da Justiça. O que me permite perguntar hoje: estava ele a brincar — estou a ser delicada — quando nos falava de ética e dos problemas que afligiam a nossa Justiça, ou está a brincar agora com a transformação de Elina Fraga em sua colaboradora próxima e dilecta?
O teor do discurso de Luis Montenegro e o alarido que suscitou são um chapeuzinho de chuva de chocolate ao pé da gravidade disto: há uma dupla na nova direcção politica do PSD — Elina/Malheiro — a contas com a própria Justiça. Não é dizer pouco e, no caso, calha que é sinalizar muito, tamanha a (inexplicável) contradição. Insisto: o novo líder social democrata concorda, aplaude, recomenda, as ideias, o modelo, a atitude agressivo-populista de Elina Fraga no que toca ao seu entendimento sobre o funcionamento da Justiça portuguesa? Rui Rio que sempre denunciou, temeu e atacou a justicialização da política – evocando-a aliás uma vez mais no Congresso – não se incomoda que a ex-bastonária seja uma óptima intérprete e praticante disso mesmo, com os duvidosos gestos e desastradas opções que já lhe conhecemos (e sem que nada indique que não se repetirão)?
Por este andar o PSD desaguará nas mais obscuras águas da Justiça ou alguém se espantaria que o Presidente do partido, agora aconselhado pela sua dilecta conselheira, lhe desse, também ele, para advogar a não recondução da actual procuradora-geral da República? Onde estão os interesses do país?
3. Escolher mal é mau sinal e em política é péssimo. Face ao que aí ficou, não se pode fazer de conta. A escolha de Fernando Negrão para a liderança parlamentar, pelas reacções de consternação e desagrado que, embora em surdina, suscitaram em alguns deputados afectos ao próprio Rui Rio (!), num atabalhoado e precipitado processo político, permite todas as dúvidas e foi um duplo erro: nem Negrão será afinal respeitado como o mais dotado politicamenta para ir ao leme da embarcação, como sobretudo a ausência de Rio das bancadas do Parlamento ampliará ao máximo a importância do palco parlamentar na caminhada do PSD (e conhecemos de cor a saga infeliz dos líderes ausentes dos parlamentos). Mais valia terem lá deixado o rapaz Soares: conhecia a casa, descodificava a bancada com segurança, tinha verve (na qual, é verdade, se teria apostado com dificuldade, mas a politica é fértil em surpresas).
4. E o resto? O resto não pode ser desligado do que acima escrevi, as coisas são o que são, mesmo retendo o empenhado esforço de Santana e de Rio na produção de um “clima de unidade”: a) ficou no ar a sensação de alguma descaracterização; b) a Comissão Política  não tem ninguém com menos de 40 anos (!); tem tralha antiga e, com honrosas excepções, parece pouco inspirada politicamente, deixando de fora alguma gente de primeira que Rio poderia ter ido buscar às suas próprias fileiras; tem uma fraquíssima representação feminina; não supreendeu nem convenceu; c)  admitindo que não se esperavam um rol de soluções salvíficas, ideias geniais ou medidas milagrosas houve mais diagnóstico – trivial — que substância para o futuro, pese embora o enfoque e a promessa de atenção a alguns sectores cruciais;  d) permanece brumosa a futura relação com o PS apesar da manifesta vontade de Rio para acordos e compromissosencontrar o justo equilíbrio entre a vital necessitade de acordos de regime para Portugal e os interesses próprios do PSD na manutenção de uma larga frente de centro direita vai exigir mais ponderação, lucidez, preparação, do que aquilo que se ouviu ou pressentiu; e) o desenrolar do Congresso permitiu algum pesado embaraço: Passos Coelho (aplausos assim só vi na ópera), teve sozinho a maior moldura de aplausos na FIL; o discurso de Luis Montenegro foi mais vibrantemente acolhido nas constantes interrupções das palmas (palmas de críticas a Rio, sublinhe-se) que os, como dizer?, mais esmorecidos aplausos dirigidos ao novo líder, para não falar dos apupos, de alguns ódios à solta, de (indisfarçáveis) sinais de divisão.
É o começo, dir-se-á.  É. Por isso um mínimo de seriedade reclama um mínimo de benefício da dúvida. Rui Rio ganhou, teve o mérito da sua vitória política. Não se sabe é onde ir buscar o empolgamento. O das manhãs do início de uma nova aventura política.
5. O lado “laranjinha” de Marcelo (que é fortíssimo) terá forçosamente uma leitura menos desalentada que a minha que não sou “laranjinha”, não tenho cartão e nunca tive militância. Mas o Presidente da República vai ter mais trabalho pela frente. Sobretudo menos previsibilidade política, coisa que ele detesta.
6. Pequena mas não dispiscienda nota final. Passos levou quatro anos a ouvir insultos e mentiras sobre o governo e sobre ele próprio. Depois ganhou as eleições. A seguir levou dois anos a ouvir que era “mau” na oposição findo o que Rui Rio teve menos votos que ele, Passos Coelho, em qualquer das eleições internas em que o ex-lider concorreu no PSD.
Um tipo decente, Pedro Passos Coelho (e que bom discurso o seu).
II - Comentário:
ANDRÉ ONDINE
Concordo, e elogio, inteiramente. "Um tipo decente, Passos Coelho". De facto, a sua saída retira decência ao parlamento. À vida política nacional. Não votei nele, mas convenceu-me. Pela coragem, no governo. Pela sobriedade e sensatez, na oposição. Rio tem muito boa imagem de si próprio. Julga-se um exemplo perfeito de honestidade, austeridade e moralidade. Não é, como vemos. Aliás, na questão do líder parlamentar, o comportamento de Rio lembra muito o de António Costa. É o regresso da pior política e o afastamento de alguém que a credibilizava.

III -  RUI RIO: Isto começou mal e vai acabar mal
OBSERVADOR, 23/2/18
O destino de Rui Rio não é ser oposição ao governo, mas ao próprio PSD. Foi sempre assim quando, no passado, o PSD foi posto na situação em que Rio o colocou, de subordinação ao PS.
Não deve uma política, como alguém disse, ser julgada pelos resultados? Talvez, mas neste caso já temos resultados suficientes. Em menos de uma semana, Rui Rio conseguiu que uma sua vice-presidente fosse vaiada no congresso, e que o seu candidato a líder do grupo parlamentar não fosse votado pela maioria parlamentar. Pelo meio, voltou a pôr Santana Lopes com dúvidas.Não vale a pena distribuir culpas. É mais importante registar o significado de tudo isto: o destino de Rui Rio não é ser oposição ao governo, mas ao próprio PSD. E vai ser assim, porque foi sempre assim quando, no passado, o PSD foi posto na situação em que Rio o colocou, de subordinação ao PS. Não haverá paz.
As personalidades terão certamente alguma parte em tudo isto. Mas seria um erro começar por aí. O que está em causa é uma opção de fundo.  Ao aproximar-se do PCP e do BE, António Costa iria fatalmente provocar uma de duas coisas: ou fazia o PSD explorar a bipolarização, e clamar, como diz Assunção Cristas, que a partir de agora os portugueses têm de escolher entre dois blocos, e quem não quiser o PCP e o BE na área do poder tem de eleger 116 deputados do PSD e do CDS; ou então, o PSD seria tentado a entrar num jogo de equívocos com o PS.
O engano aqui seria presumir que, só por a direcção do PSD ter optado pelo jogo com o PS, haverá mais tranquilidade (ou “normalidade”). Não: haverá menos. É verdade que PS, PSD e CDS têm em comum a integração europeia. Sem isto, este regime seria impossível. Mas esses grandes princípios não condenam os partidos à harmonia, na medida em que não significa que só possa haver um tipo de soluções institucionais ou opções de governação. Dir-me-ão: noutros países, os grandes partidos entendem-se para governar. Sim, na Alemanha — onde, depois de anos de coligação, a CDU e o SPD nunca estiveram tão divididos e valeram tão pouco. O mesmo, aliás, aconteceu ao PSD e ao PS em 1985, após o Bloco Central. Por isso, por mais interessados que estejam em extrair capital de uma “nova fase” de consenso, nem PSD nem PS estão à vontade para se comprometer, com medo de alienar dirigentes e eleitores.
O primeiro efeito do corrente jogo será, portanto, uma grande cacofonia. Do lado do PS, por cada porta-voz que saúde a disponibilidade do PSD para pactos, haverá outro porta-voz a dizer que não haverá pactos nenhuns. Do lado do PSD, por cada dirigente que queira transformar os debates com o primeiro-ministro em fraternais “sessões de trabalho”, haverá outro dirigente a clamar que um “governo de esquerda” lhe “repugna”. Aliás, curiosamente, nenhuma direcção do PSD terá usado a palavra “esquerda” com tanto nojo como a actual. Nada disto é inédito. Ninguém como Sousa Franco, em 1978, ou Mota Pinto, entre 1983 e 1985, se mostrou tão impaciente e quezilento com o PS: é quem tem expectativas que mais se zanga.

Mas então, como fazer as “reformas”? Bem, para começar, as reformas são as reformas que só o PSD e o CDS querem fazer. Porque haveria António Costa de lhes facilitar a vida? O PS já explicou que só está interessado “em acordos com todos os partidos. Seria, portanto, preciso imaginar soluções de que estivessem igualmente convencidos CDS, PSD, PS, BE e PCP. Poderíamos, a esse respeito, assentar numa regra: fora de uma emergência, tudo em que partidos tão diferentes concordarem tenderá a ser, ou detalhes técnicos, ou manigâncias à custa dos contribuintes (como o financiamento partidário), à custa do equilíbrio dos poderes (como a governamentalização do Ministério Público), ou à custa do Estado (como a feudalização agora conhecida por “descentralização ). Em suma, neste contexto, ninguém fará “reformas”, e as que se fizerem – será melhor que não sejam feitas.